ACON T ECEU
|| Home | Assuntos | Contato ||

Charles Robert Darwin - Inglaterra 12/02/1809 Domingo - 19/04/1882 Quinta-feira

Charles DarwinUma das grandes curiosidades do homem tem sido conhecer o porquê da prodigiosa variedade de seres vivos. Existiram sempre? Se não, de onde vieram? Como apareceram? Dentre as mais antigas explicações distingue-se a de que um ser supremo teria criado os primeiros casais de todos os seres vivos e, a partir daí, o mundo continuaria sempre igual, povoado pelos descendentes daqueles seres, nascidos pela união de Deus.
Essa concepção apenas ocasionalmente era colocada em dúvida, porque era perigoso duvidar, perturbando aquilo que parecia eternamente imutável. Até o momento em que duvidar passou a significar a possibilidade de saber e progredir. As especulações filosóficas encontram terreno fértil na concepção da evolução biológica. A geologia e a história natural começam a demonstrar que a idade da terra é muito superior à que se pensava e que também o homem já existia a mais tempo do que se supunha.

macaco Charles Darwin revelou-se bem dotado desde a infância. Arguto e observador, procurava compreender o que lhe ensinavam. Gostava de História Natural e fazia coleções de pedras, conchas, moedas, plantas, flores silvestres e ovos de pássaros. Com 16 anos matriculou-se na Universidade de Edimburgo, entretanto, notou que para ser médico teria que assistir muitas operações (feitas sem anestesia, pois o clorofórmio ainda não fora inventado) e várias aulas que não o interessavam nem um pouco.
E, ao invés de estudar, acabou dedicando seu tempo a reuniões com outros estudantes, onde se discutiam as Ciências Naturais.
Em 1831, partiu numa expedição que deveria explorar as costas da Patagônia, Terra do Fogo, Chile e Peru, algumas ilhas do Pacífico e também realizar, ao redor do mundo, uma série de medições cronométricas. De volta à Inglaterra, o jovem inexperiente que embarcara cinco anos antes, chegou com sólida reputação como geólogo e naturalista.

Viveu alguns anos em Cambridge e Londres, trabalhando ativamente em assuntos científicos, especialmente no preparo da publicação dos resultados de sua viagem e na coleta de dados para sua teoria acerca da origem das espécies. Charles Darwin e a evolução O principal tema das pesquisas de Darwin sempre foi a evolução. Um bom número de fatos favorecia, desde o princípio, sua convicção de que, enquanto alguns seres se extinguiam, outras espécies apareceram evoluindo das anteriores. Alguns fósseis recolhidos na América do Sul pareciam-se muito com certos exemplares da fauna viva das ilhas Galápagos. Isso foi um bom exemplo.
Partindo desse ponto, o naturalista foi formulando sua teoria, segundo a qual, as formas de vida evoluem lentas, mas continuamente através dos tempos.

Darwin observou que, embora todos os organismos vivos tenham potencialidade para multiplicar-se em progressão geométrica, o número de indivíduos de uma mesma espécie tem apenas pequenas oscilações ao longo das gerações, não crescendo geometricamente como era de se esperar. A ostra, por exemplo, lança ao mar centenas de milhares de ovos, no entanto, apenas um ou dois se tornarão ostras adultas. Esta limitação é condicionada pelas possibilidades de absorção de novos indivíduos pelo meio ambiente. Conclui-se, pois, que existe competição pela sobrevivência. Observou ainda que em qualquer população são encontradas variações individuais que podem ser transmitidas hereditariamente. Algumas dessas variações são favoráveis à sobrevivência e à reprodução de um organismo em determinado ambiente. Com o tempo, essas variações mais favoráveis vão se acumulando. Assim, as populações se transformam e depois de muitas gerações acabam por se diferenciar bastante de suas antepassadas.

No decorrer desse processo vai ocorrendo uma seleção natural – a sobrevivência do mais apto -, que preserva as espécies mais adaptáveis, modificando-as gradativamente para enfrentar as condições do ambiente em que vivem.
E, se o ambiente sofre alguma modificação, também as espécies acabam por se adaptar a ela. Desta maneira, novas espécies se formam. Dependendo do tipo de desenvolvimento dessas variações, diversas espécies, díspares entre si, podem descender de uma mesma espécie-tronco.




<< anterior próxima >>